Página Inicial » Notícias


Semente de algodão pode ser uma rica fonte de nutrientes 21/11/11 17:30h
22/11/2011 11:38

A farinha da semente de algodão pode alimentar milhões de pessoas depois de ser submetida a um processo que suprime seu caráter tóxico, que é investigado pelo especialista em biologia molecular da Universidade do Texas A&M, Keerti Rathore.

Este especialista começou oferecendo sua semente especial aos gambás, em um dos estudos que espera levar a farinha do algodão para o prato dos seres humanos.

"A quantidade de semente de algodão produzida no mundo todo satisfaria os requisitos básicos de proteínas de 500 milhões de pessoas", disse Rathore em entrevista à Agência Efe durante uma visita a Quito, como parte de um programa de intercâmbio financiado pelos Estados Unidos.

Para um planeta que acaba de passar dos 7 bilhões de habitantes e que sofreu grandes altas no preço dos alimentos nos últimos anos, encontrar uma fonte não aproveitada de nutrientes é uma perspectiva muito tentadora.

A descoberta é de grande interesse para os mais de 20 milhões de agricultores que cultivam algodão, especialmente em países como China, Índia, EUA, Brasil e Argentina, que recolhem a fibra branca e desperdiçam o resto, já que o algodão conta com glândulas que secretam gossipol, um composto tóxico que o ajuda a se defender de pragas e da maioria dos herbívoros, incluindo o ser humano.

Há 50 anos, alguns botânicos obtiveram uma planta de algodão sem esse composto depois de cruzar uma espécie selvagem sem gossipol com as espécies comerciais. Foi um momento de grande entusiasmo, que incentivou estudos entre seres humanos na África, Índia e América Central, aonde chegou a ser administrado em crianças, provando que a semente de algodão era um bom nutriente sem efeitos adversos.

Na Universidade do Texas A&M um grupo de voluntários as salgou e "e a maioria gostou do sabor", disse Rathore. No entanto, o projeto fracassou porque as suculentas plantas de algodão sem o composto protetor foram alvo de todo tipo de insetos.

Foi preciso recorrer à engenharia genética de Rathore, que abafou o gene responsável pela produção do gossipol na semente, mantendo as glândulas com o composto como proteção no resto dos tecidos. Desde então sua equipe, composta por cinco pessoas, cultivou oito gerações da semente especial, tanto em estufas como ao ar livre, e concluiu que sua peculiaridade genética "é estável e transmissível".

Com sua descoberta, Rathore pretende mudar a relação do ser humano com o algodão, uma planta originária da África cultivada por seu tecido há 7 mil anos, mas que produz 1,6 vez mais semente que fibra.

Atualmente o óleo da semente é aproveitado para consumo, pois é possível retirar o gossipol por mecanismos e controles químicos, enquanto o resto é dado para as vacas, que são capazes de digeri-lo graças aos poderosos quatro compartimentos de seu estômago.

No entanto, as reses são um veículo muito pouco eficiente para o processamento de comida, uma vez que precisam de 5,8 quilos de alimento para produzir 1 quilo de carne. Por outro lado, a proporção nas galinhas é de 2 por 1 e em alguns peixes como o salmão se aproxima de 1 por 1.

Por sua combinação de aminoácidos, os camarões gostam especialmente da semente, que Rathore também oferecerá a frangos e porcos em estudos futuros, segundo disse.

Contudo, Rathore acredita que serão necessários cerca de dez anos para ser cumprir os requisitos de segurança impostos pelas agências reguladoras dos EUA e com isso levar a semente ao mercado, apesar de o país ser um local permissivo com os alimentos geneticamente modificados.

 



Fonte: Agência EFE

Página Inicial - O PROALMAT - Legislação - Contato

Todos os direitos reservados.